1. Diseño y Comunicación >
  2. Publicaciones DC >
  3. Actas de Diseño Nº4 >
  4. Bordado: fonte de renda e desenvolvimento humano no município de Itapajé

Bordado: fonte de renda e desenvolvimento humano no município de Itapajé

Da Silva Braga, Iara Mesquita; Aguiar Barbosa, Rita Claudia; Caldas, Artemísia

Actas de Diseño Nº4

Actas de Diseño Nº4

ISSN: 1850-2032

II Encuentro Latinoamericano de Diseño "Diseño en Palermo" Comunicaciones Académicas. Julio y Agosto 2007, Buenos Aires, Argentina

Año II, Vol. 4, Marzo 2008, Buenos Aires, Argentina. | 257 páginas

descargar PDF ver índice de la publicación

Ver todos los libros de la publicación

compartir en Facebook


Licencia Creative Commons Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional

Introdução

O município de Itapajé, está localizado na região norte do Estado do Ceará, à 124Km de Fortaleza com uma população de 41.093 habitantes. Dentre seus atrativos naturais são destaques o relevo acidentado e as formações rochosas como a Pedra da Caveira, e a Pedra do Frade, a qual originou o atual nome da cidade, pois tem uma formação que lembra um frade, um feiticeiro de joelhos a rezar. Na língua Tupi Guarani, Ita = Pedra; Pajé = Sacerdote.

Até metade do século XIX, a economia de Itapajé era baseada no binômio gado-algodão. Como em todo o Estado do Ceará, que teve seus espaços do interior conquistados por rebanhos de gado bovino e posteriormente pelo algodão o município tinha nessa atividade a produção de sua renda. O algodão teve importância substancial no desenvolvimento do Estado. Surgindo os primeiros pólos comerciais em Vilas interioranas, propiciando o advento das ferrovias e abertura de estradas pelo interior interligando à Fortaleza, esta se potencializou como sede administrativa da Capitania, recebendo toda o cultivo de algodão do estado para a exportação, sendo esta, a primeira produção a ser exportada diretamente de Fortaleza para Portugal.

Hoje, a economia que movimenta o comércio de Itapajé, está dividido entre o cultivo da banana, a produção de bordados e a produção de sapatos, oriunda da fábrica de sapatos Paquetá, que teve sua implantação na cidade em 1999 à 2000, tendo contribuído e incentivado o crescimento do comércio local.

Bordado como fonte de renda

O bordado é um trabalho manual realizado por meio de fios, sobre o tecido, com a utilização de fibras como o algodão, linho, dentre outras. Artesanato classificado como doméstico, produtos resultantes da utilização do tempo ocioso, como atividade ocupacional, ou como complemento ocasional de renda, também é um artesanato popular, sendo a produção predominantemente familiar e de pequenos grupos vizinhos, o que possibilita a continuidade das técnicas, processos e desenhos. O bordado de Itapajé, além de ser um representativo dos traços culturais, ocupa a grande mão-de-obra ociosa, marginalizada e pouco qualificada e fonte principal do sustento.

O bordado por ser produzido por mais de 80% da população, em todos os bairros, distritos e localidades do município, movimentando os comércios locais e do centro da cidade principalmente, onde o artesão compra toda a matéria prima utilizada para a confecção do bordado: o tecido, linho, as linhas, agulhas, tinta , o papel vegetal, lápis, o gás, querosene, o sal azedo, o sabão e a goma. (PRA-ITA, 2003) O bordado, para muitas famílias de Itapajé é a principal fonte de renda e sustento. Todos os membros, na grande maioria de famílias que exercem essa atividade. A mãe por ter mais maestria na lida com o bordado, risca, borda e as filhas, seja qual for a idade, ajudam no fazer dos acabamentos. Caso tenha filhos homens, estes em alguns casos bordam, lavam e passam. O pai geralmente auxilia o filho e faz o acabamento final, o cordão, e as filhas finalizam com o picote, recortando o acabamento ao redor da peça. Com a peça pronta o bordado é comercializado em Itapajé, ou em Fortaleza, que de lá segue para as lojas e outros Estados. “A divisão de trabalho no artesanato obedece à lógica da experiência e do saber, muito embora se empreguem terminologias que remontam às Corporações de Ofício do século XVIII”. (Barroso, 2002, p. 9) Em quase 60% das famílias acontece esse processo descrito.

As crianças começam ajudando nos acabamentos: crivos e pontos aju (ponto Paris), que são poucos no processo do bordado. Posteriormente elas passam a fazer também para fora e começar a ganhar o seu dinheiro, iniciando o interesse comercial da renda própria. Os homens são muito importantes nos processos de lavagem e passagem, como foi comentado anteriormente, pois são duas etapas que necessita de muita força. Na maioria dos casos eles também bordam à máquina.

Problemas e falhas no bordado Diante da importância do bordado na economia do município, onde envolvem os vários meios de negociações, (lojas de tecidos e linhas, mercantis, meios de transporte nas vias Itapajé-distritos e Itapajé-Fortaleza, como também mão-de-obra, fábricas de matéria-prima, lojas de máquinas, bancos), enfim tudo o que envolve o desenvolvimento da atividade, de forma direta ou indiretamente, observa-se que a melhoria deste, concomitantemente causará desenvolvimento econômico para o município.

O bordado, além de ser uma fonte de renda, é também, um meio de inclusão social e de crescimento econômico para o município. Tendo em vista que as diversas dificuldades que essa atividade econômica apresenta, como ineficiência da comercialização do bordado, que estava em baixa com dificuldades de venda e a desqualificação dos produtos, desenvolveu-se esse trabalho que tem como resultado final o Programa de Revitalização do Artesanato de Itapajé - PRA-ITA.

Foi aplicada entrevista nas empresas, nas casas dos artesãos em diferentes bairros da cidade e noutras localidades.

Com base nos dados da pesquisa, concluiu-se que o bordado de Itapajé não estava vendendo porque os produtos apresentavam péssimas condições de acabamento, levando a uma qualidade muito inferior do que o desejado pelos consumidores, o preço muito baixo e fora da realidade, acarretando uma descapitalização muito grande dos artesãos. O acontecimento constante de compradores fraudulentos, a repetição e cópias dos desenhos, tornando os produtos repetitivos, tinha como conseqüência um desinteresse dos compradores e consumidores.

Portanto, que o bordado e as bordadeiras necessitavam passar por um processo de qualificação, capacitação para a melhoria dos produtos. Foi verificados que seria necessário a construção de um produto com identidade, originalidade e diferencial para uma aceitação de um mercado consumidor potencial com preços justos, para que o artesão empreenda o seu negócio e que tenha  sustentabilidade.

Revitalizando o bordado Para a capacitação dos artesãos se fez necessário à elaboração de um processo que se constituiu de diversas etapas, iniciando com a realização do cadastramento, fotografando os artesãos e seus produtos.

Em cima dos dados colhidos através do cadastramento foi possível conhecer os artesãos e desenvolver uma metodologia adequada as suas deficiências. Este método de ensino foi criado tendo mais conhecimento da realidade local e fornecendo informações imprescindíveis para a criação do conteúdo da capacitação.

O PRA-ITA, aplicou uma metodologia que consiste na construção e produção de um artesanato com identidade cultural, originalidade, qualidade e diferencial. Pois, aliando o artesanato a cultura é possível desenvolver um artesanato diferenciado, criativo, com história, único, competitivo e com sustentabilidade. Além de melhorar a qualidade dos produtos artesanais, o método dar a oportunidade ao artesão de entrar em contato direto com suas histórias, com suas raízes, assim propondo a revalorização como um ser humano criativo, empreendedor e capaz, realçando sempre as suas potencialidades para o aumento da auto-estima.

A metodologia foi dividida em três etapas: motivação, desenvolvimento de produto e empreendedorismo, numa ação sistematizada, articulada e sinérgica, para a transformação de um objeto para um produto artesanal competitivo.

A aplicação da capacitação ocorreu por meio de processos.

Sendo dividida a população cadastrada por grupos em localidades e bairros, com a finalidade de motivar os artesãos e conhecer o real interesse em cada grupo, em relação ao programa. Com a aceitação de alguns grupos foi iniciada a capacitação através de encontros semanais.

A primeira fase, foi dividida em quatro módulos: a metodologia, artesanato e cultura é repassada aos artesãos por meio de vivências, dinâmicas e conversas para um melhor entendimento que a arte popular e o artesanato poderão apontar os referenciais simbólicos e culturais que os consumidores desejam.

A segunda fase, foi o estudo da cultura local para o desenvolvimento do produto real. Momento em que o artesão cria, de acordo com os desejos do consumidor, com as cores que correspondem ao desenho, construindo cada peça com harmonia e equilíbrio sem deixar de lado a originalidade.

A terceira fase, o artesão entrou em contato com os números.

Foi discutido custos, calculado preços e definido os lucros necessários para um sucesso comercial do empreendimento.

A quarta fase, desenvolvimento de uma estratégia de marketing capaz de promover as peças produzidas pelos grupos capacitados e informar ao consumidor a procedência e a história de cada produto.

Com os produtos PRA-ITA prontos, e todo o material gráfico e marketing visual em mão foi feito o lançamento no município com o intuito que toda a comunidade itapajeense soubesse o que estava acontecendo durante todo o ano nos grupos de artesanato e constatassem os resultados dos produtos dos grupos capacitados, com intenção de aguçar o interesse para a formação de novos grupos e também, que outros artesãos melhorem a qualidade de seus produtos, para que possam concorrer com os produtos PRA-ITA.

Referências bibliográficas - Pereira, J. C. C. Artesanato - Definições e Evolução Ação do MTb - PNDA, ministério do Trabalho-Secretaria Geral, Coleção XI, Planejamento e Assuntos Gerais, Brasília,1979.

- BNB. Programa de Desenvolvimento do Artesanato do Nordeste - CrediArtesão / Banco do Nordeste, 2 ed. - Fortaleza: Banco do Nordeste, 2002. 210p.

- SEMACE. Programa de Educação Ambiental do Ceará. 2. ed. rev. atual. Fortaleza: SEMACE, 2003. 164p.: il.

- Barroso, E. N. Curso Design, identidade Cultural e Artesanato. Fortaleza: SEBRAE/ FIEC, 2002, mod.1e 2.

- Carvalho, G.; Guimarães, D. Ceará Feito à Mão: Artesanato e arte popular Fortaleza: Terra da Luz Editorial, 2000. 160p. il.

- Alegre,S. P. Mãos de Mestre: itinerários da arte e tradição / Sylvia porto Alegre - São Paulo: Maltese, 1994.

- Eaton,Jan. Um guia criativo para bordados em ponto de cruz/Jan Eaton - Erechim - RS - Brasil - Edelbra, 1991.

- Tota, A. P.; Bastos, P. I. A. Novo Manual, Nova Cultura: História Geral. São Paulo, SP: Editora nova Cultural Ltda.,1994.

- Sebrae. Cara Brasileira: a brasilidade nos negócios, o caminho para o “made in Brazil”. Brasília, DF: edição Sebrae,2002.

- Abreu, A.R.P.O avesso da moda: trabalho a domicílio na indústria de confecção. São Paulo, SP: Editora Hucitec,1986.

- Marchand, P. Segredos da Tecelagem. São Paulo, SP: Cia. Melhoramentos, 1996.

- Souza, S. (Coord.). História do Ceará. Fortaleza, CE: Fundação Demócrito Rocha, 1994. 416p.

Iara Mesquita da Silva Braga. Mestranda do Curso de Design e Marketing na Universidade do Minho, Portugal; professora de Moda da UFC.

Rita Claudia Aguiar Barbosa. Professora Mestra em Economia Agrícola na Universidade Federal do Ceará.

Artemísia Caldas. Cursando Especialização em Design Têxtil e professora da Faculdade Católica do Ceará - Marista.


Bordado: fonte de renda e desenvolvimento humano no município de Itapajé fue publicado de la página 155 a página157 en Actas de Diseño Nº4

ver detalle e índice del libro