1. Diseño y Comunicación >
  2. Publicaciones DC >
  3. Actas de Diseño Nº1 >
  4. Vinhetas de televisão

Vinhetas de televisão

Da Costa, Carla Cristina

Do estático ao pós-moderno

Actas de Diseño Nº1

Actas de Diseño Nº1

ISSN: 1850-2032

I Encuentro Latinoamericano de Diseño "Diseño en Palermo" Comunicaciones Académicas, Agosto 2006, Buenos Aires, Argentina

Año I, Vol. 1, Agosto 2006, Buenos Aires, Argentina. | 265 páginas

descargar PDF ver índice de la publicación

Ver todos los libros de la publicación

compartir en Facebook


Licencia Creative Commons Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional

O artigo apresenta um resumo sobre a evolução das vinhetas televisivas no Brasil, desde quando apresentavam um formato estático até a forma mais dinâmica das que são desenvolvidas a partir dos anos 1980, com destaque para as vinhetas da MTV. Inicialmente as vinhetas eram meros cartões de papel, pintados com nanquim, filmados por uma câmera parada. Com o advento da computação gráfica e a introdução de novos recursos tecnológicos, as vinhetas passaram a exibir movimentos e elementos gráficos cada vez mais sofisticados.

É discutida também a influência do pós-moderno no videodesign, área responsável pela criação das vinhetas.

As características históricas e estruturais do videodesign, que utiliza diversos dispositivos tecnológicos e softwares para conceber seus projetos, proporcionariam às vinhetas, através de recursos visuais, uma expressão privilegiada de parte dos aspectos atribuídos à cultura pós-moderna, como a fragmentação, a efemeridade, a descontinuidade, a quebra da narrativa, o resgate do passado, o pastiche, dentre outros.

As vinhetas da MTV são consideradas produtos legítimos gerados pelo videodesign, que conseguiriam exprimir várias características atreladas a esta cultura. A MTV assumiria também um lugar de destaque na reprodução das manifestações pós-modernas por fazer parte da indústria cultural, tendo como principal audiência o jovem, o que incentiva a emissora a estar sempre em conexão com as últimas tendências. Além disso, as vinhetas da MTV seriam reconhecidas pelo alto nível de experimentação, o que acaba também beneficiando a expressão de aspectos considerados pós-modernos.

A relação que as vinhetas televisivas possuem com o pós-moderno estaria associada ao ambiente de criação inerente ao videodesign. O profissional que atua nessa área do design gráfico, o videodesigner, dispõe de ferramentas de trabalho que o tornariam um profissional privilegiado em captar parte do universo simbólico pósmoderno.

Com o uso do sistema “copy-cut-mix-edit” dos softwares de edição e manipulação de imagens, o videodesigner produziria objetos gráficos repletos de influências deste universo.

O videodesign também seria influenciado pelas diversas escolas e movimentos que constituem o design gráfico considerado pós-moderno, como a Cranbook Academy of Art, em Michigan, a San Francisco School, o grupo francês Grapus e o movimento New Wave, que exibem uma estética visual que rompe com os padrões que imperavam até então no design. O despojamento e a experimentação são muito presentes tanto no design pós-moderno quanto nos produtos gerados pelo videodesign, com destaque para as vinhetas da MTV.

Os designers Neville Brody, responsável por várias capas da revista The Face, e David Carson, com suas ousadas e reconhecidas experimentações tipográficas, também servem como referências para os trabalhos que são desenvolvidos na área de videodesign. Inclusive uma das técnicas mais utilizadas na elaboração de vinhetas televisivas é a técnica do palimpsesto, que consiste em experimentações com palavras e imagens que são ligeiramente apagadas ou esfumaçadas, sendo superpostas por outras, o que acaba dificultando seu entendimento e gera “jogos de interpretação”. Esse efeito é muito utilizado nos projetos desenvolvidos por David Carson.

A colagem e o apropriacionismo são também duas outras técnicas muito usadas nos trabalhos gerados pelo videodesign.

Através destes recursos visuais, o videodesigner acaba transformando seus projetos em grandes pastiches, típicos da era pós-moderna, repletos de referências históricas de diferentes períodos dispostos em um mesmo espaço e também usando como fontes elementos que muitas vezes se apresentam de forma antagônica entre si. Um mesmo trabalho pode conter pin-ups dos anos 1950, imagens de estátuas gregas e fotos de filmes de ficção científica da atua-lidade, sem que haja um real conflito entre eles.

O trabalho também discute a nova função assumida pelo designer em decorrência das mudanças trazidas pela pós-modernidade, que acabaram delegando mais autonomia ao profissional que atua nessa área. Os recursos tecnológicos que foram introduzidos no design gráfico proporcionaram ao designer um maior grau de intervenção em seus trabalhos. O próprio designer passou a desenvolver tipos de maneira bem mais otimizada através de softwares especializados, sem haver a necessidade do apoio de um tipógrafo, como acontecia anteriormente. Com isso, o designer se transformaria em um verdadeiro co-autor de suas obras, podendo fugir do Estilo Internacional que dominou a época moderna e engessava de certa forma os trabalhos desenvolvidos na área do design, que deveriam seguir as regras estabelecidas por este estilo. O videodesign é uma das áreas mais representativas em relação a essas mudanças por ter nascido na pós-modernidade e ser totalmente dependente de dispositivos tecnológicos para conceber seus trabalhos.

O artigo se baseia na análise bibliográfica de importantes autores da atualidade que tratam das diversas manifestações pós-modernas e do design pós-moderno.

Além disso, foram pesquisadas as obras de especialistas em vídeo, como Arlindo Machado, e mais especificamente em videodesign. Esse material bibliográfico e o prévio estudo de vinhetas da atualidade, principalmente da MTV, possibilitaram as reflexões realizadas neste artigo.


Vinhetas de televisão fue publicado de la página 141 a página142 en Actas de Diseño Nº1

ver detalle e índice del libro