1. Diseño y Comunicación >
  2. Publicaciones DC >
  3. Actas de Diseño Nº1 >
  4. Desenho Inteligente

Desenho Inteligente

Venturelli, Suzete; Maciel, Mario

Actas de Diseño Nº1

Actas de Diseño Nº1

ISSN: 1850-2032

I Encuentro Latinoamericano de Diseño "Diseño en Palermo" Comunicaciones Académicas, Agosto 2006, Buenos Aires, Argentina

Año I, Vol. 1, Agosto 2006, Buenos Aires, Argentina. | 265 páginas

descargar PDF ver índice de la publicación

Ver todos los libros de la publicación

compartir en Facebook


Licencia Creative Commons Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional

Os desenhos digitais, bidimensionais ou tridimensionais, podem ser elaborados com tecnologia de inteligência artificial e, neste caso, eles passam a ser construídos com procedimentos que levam em questão a relação entre criação artística e ciência da computação.

Exemplificaremos essa relação analisando algumas características do processo de criação do desenho de personagens para jogos eletrônicos. Segundo Steve Poole (2002:76-85), a modelagem da inteligência de um personagem para games é muito complexa, pois precisa convencer os interatores a continuarem jogando. Os jogadores geralmente se convencem pelo realismo dos desenhos ao simularem movimentos do humano.

Os métodos computacionais para simulação do humano geram desenhos complexos, sendo o principal a síntese da figura humana, suas expressões fisionômicas e sua inteligência. Algumas pesquisas recentes usam recursos digitais para a simulação de movimentos corporais e faciais e conseguem dados de alta precisão para obter o movimento das dos membros do corpo e de expressões faciais, que simulam as emoções e a fala. É uma maneira de atribuir aos personagens gestos naturais. Outro importante método para simulação do corpo humano é a programação algorítmica que possibilita a geração de modelos geométricos precisos, além de controlar instruções armazenadas em memórias eletrônicas, que processam rotinas de movimentos, respiração, sensores de presença e inteligência artificial. Esses métodos possibilitaram a criação e a proliferação de humanóides veiculados pela publicidade, pelo desenho animado digital, pelos jogos eletrônicos e pelas obras de arte computacionais.

O desenho inteligente dos personagens considera também na expressão corporal e facial a incorporação da tecnologia de inteligência artificial por meio da simulação da cognição humana com sistemas artificiais capazes de reproduzir interações complexas entre humanos e máquina e entre máquinas e ambientes/objetos virtuais concomitantemente.

A interação complexa está relacionada também com a autonomia do desenho inteligente. Por definição desenhos inteligentes autônomos não precisam dos humanos para existir, pois possuem vida própria.

Nesse sentido, estamos desenvolvendo, como pesquisadores da Universidade de Brasília, desenhos inteligentes com comportamentos ativados segundo a ação humana que ocorre através do uso de teclados, mouse e câmeras digitais e outros trabalhos que se relacionam à criação de desenhos inteligentes autônomos, que possam viver em ambientes virtuais artísticos ou de jogos, envolvendo também a área de vida artificial.

Para tanto, estamos adotamos na elaboração metodologias de criação com abordagem simbólica e numérica, como as de redes neurais. Essas abordagens permitem construir desenhos inteligentes nas áreas da arte e jogos inteligentes com personagens autônomos bidimensionais e tridimensionais, sistemas de ensino-aprendizagem a distância com a idéia de trabalho colaborativo onde participam tutores inteligentes. É importante destacar, ainda, que o desenho da representação física e psicológica do ser humano que fazemos é estudado, pois remete a era pós-biológica ou pós-humana, onde o corpo está se fundindo com a máquina.

Os trabalhos têm caráter interdisciplinar com participação de professores da engenharia, tais como Ricardo Queiroz e alunos da graduação e pós-graduação, tais como Daniel Scandiuzzi, da ciência da computação, André Felipe Ramalho Maciel, artes visuais, Thiago Mattos Bouzan, da mecatrônica, e Rafael Galvão, engenharia elétrica, com apoio UnB e com as instituições de fomento à pesquisa CNPq e Finatec.

Bibliografia POOLE, Steve. Character Forming. In: Game On: the history and culture of videogames, King, Lucien.

London: Laurence King Publishing Ltd, 2002, p. 76-85.

VENTURELLI, Suzete. Arte: espaço_tempo_imagem. Brasília: Editora da Universidade de Brasília. 2004.


Desenho Inteligente fue publicado de la página 160 a página161 en Actas de Diseño Nº1

ver detalle e índice del libro