1. Diseño y Comunicación >
  2. Publicaciones DC >
  3. Actas de Diseño Nº1 >
  4. Produção artesanal x timing da moda

Produção artesanal x timing da moda

Barreto Matos, Adriana Leiria; Lopes Vianna, Waleska Maria

Actas de Diseño Nº1

Actas de Diseño Nº1

ISSN: 1850-2032

I Encuentro Latinoamericano de Diseño "Diseño en Palermo" Comunicaciones Académicas, Agosto 2006, Buenos Aires, Argentina

Año I, Vol. 1, Agosto 2006, Buenos Aires, Argentina. | 265 páginas

descargar PDF ver índice de la publicación

Ver todos los libros de la publicación

compartir en Facebook


Licencia Creative Commons Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional

1. Introdução

O artesanato tem tido uma crescente revalorização, possibilitando o resgate da tradição cultural brasileira, trazendo mais qualidade de vida e geração de renda e emprego para várias comunidades produtivas espalhadas pelo país. Esses avanços conquistados são devidos em grande parte, à atuação de programas de incentivo à produção artesanal em parceria com o Design. Somente através de intervenções aplicadas sob a ótica da gestão de Design foi possível, otimizar produtos e processos, caminhando em direção a produtos de artesanato de alta qualidade e orientados para a satisfação do público consumidor.

Em muitas comunidades, com tipologias aplicáveis ao vestuário, observaram-se variantes específicas. Se por um lado, o vestuário hoje se encontra em grande fase de desenvolvimento, constituindo uma poderosa indústria, com seus tempos de produção e comercialização extremamente ágeis; por outro, a atividade artesanal é essencialmente manual, conforme elucida Lima y Azevedo: Artesanato: É atividade predominantemente manual de produção de bens, exercida em ambiente doméstico ou em pequenas oficinas, postos de trabalho ou centro associativo, no qual se admite a utilização de máquinas ou ferramenta, desde que não dispensem a criatividade ou a habilidade individual e de que o agente produtor participe, diretamente, de todas ou quase todas as etapas da elaboração do produto. (Lima e Azevedo, 1982, p.18).

Dessa forma, ao elaborar peças de vestuário englobando elementos tipicamente artesanais como rendas e bordados, as comunidades deparam-se com o dilema de renovação e lançamento de sua produção, tendo em vista o produto de vestuário estar inserido em um contexto de efemeridade, típico da grande Indústria da Moda. Por outro lado, o artesanato visa preservar as características culturais de cada região, consolidando a identidade de cada grupo dentro do contexto histórico de suas tradições.

O presente trabalho visa investigar as possibilidades dessa parceria entre Artesanato e Moda, buscando no Design os caminhos para uma gestão adequada do desenvolvimento e comercialização de produtos artesanais.

2. Justificativa O nascimento da atividade artesanal está diretamente relacionado com o surgimento dos grandes centros urbanos e de todo o grupo de atividades a partir de então geradas e indispensáveis à vida da comunidade, a exemplo de carpinteiros, sapateiros, ferreiros, chapeleiros, alfaiates, etc. A partir do século XVIII, com o advento da Revolução Industrial é que surgiu a necessidade delimitar os ofícios de forma corporativa, regulamentando as atribuições de cada produção artesanal.

À medida que atividade industrial ganhava fôlego e notoriedade, a produção artesanal começa a enfrentar um longo período de marginalização e desvalorização, ficando restrita às periferias e camadas de menor poder aquisitivo.

No Brasil, devido a grande miscigenação de culturas, tivemos um rico legado de tradições incorporadas ao nosso artesanato, resultando em uma produção com uma peculiar diversidade. Durante muito tempo, o artesanato foi tratado apenas sob uma ótica social, desconsiderando sua importância econômica e cultural. A partir do Programa SEBRAE de Artesanato, iniciado em 1999, deu-se um novo tipo de assistência ao artesanato tratando-o com de forma sistematizada e atuando na formação empreendedora do artesão. Considerando as exigências do mercado de trabalho e o grande percentual de desemprego, revitalizar a atividade artesanal tornase um poderoso instrumento de inclusão social, possibilitando o resgate da auto-estima do indivíduo artesão, além de preservar o patrimônio cultural brasileiro.

Particularmente no Estado do Ceará, o SEBRAE desenvolveu um programa específico denominado Irmãos do Ceará. Implantado em 2003, o programa desenvolve várias ações junto aos pequenos grupos de artesãos enfocando a melhoria da qualidade de vida e profissionalizando a atividade do setor. Essas atividades foram viabilizadas através das Capacitações tecnológicas, importante ferramenta de qualificação e aprimoramento, através da UIAT - Unidade de Inovação e Acesso à Tecnologia do SEBRAE-CE.

Dentre as comunidades assistidas, destaca-se o município de Maranguape cuja vocação para o artesanato é expressa principalmente através dos bordados de richelieu à mão e à máquina. A cidade possui três grupos organizados em associações: APAM -Associação Produtiva Artesanal de Maranguape-; AMA -Associação Maranguapense dos Artesãos; e ASMUI- Associação dos Moradores Unidos do Itapebussu. Constatou-se a existência de imenso potencial de desenvolvimento contido nesses grupos de produção, devido à beleza natural da técnica do bordado, bem como sua versatilidade, que permite grande variação dos motivos produzidos.

No entanto, para que esse potencial pudesse florescer, a intervenção do Design mostrou-se como solução mais eficaz, pois assim as artesãs seriam capazes de otimizar sua produção, orientando-a em favor das necessidades do mercado.


Produção artesanal x timing da moda fue publicado de la página 193 a página194 en Actas de Diseño Nº1

ver detalle e índice del libro