1. Diseño y Comunicación >
  2. Publicaciones DC >
  3. Actas de Diseño Nº1 >
  4. Desenho para engenheiros: O que ensinar?

Desenho para engenheiros: O que ensinar?

Alencar Correia, Ana Magda; Yee Cheng, Liang

Actas de Diseño Nº1

Actas de Diseño Nº1

ISSN: 1850-2032

I Encuentro Latinoamericano de Diseño "Diseño en Palermo" Comunicaciones Académicas, Agosto 2006, Buenos Aires, Argentina

Año I, Vol. 1, Agosto 2006, Buenos Aires, Argentina. | 265 páginas

descargar PDF ver índice de la publicación

Ver todos los libros de la publicación

compartir en Facebook


Licencia Creative Commons Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional

Um novo tipo de educação, voltado para diferentes modos de comunicação. Tal paradigma vem levando à evolução do pensamento transdisciplinar, cujo objetivo é a compreensão do mundo presente e para a qual é imperativa a unidade do conhecimento. Torna imprescindível, deste modo, uma profunda reflexão acerca dos rumos a serem tomados no processo educativo.

Enfocando especificamente a formação do engenheiro, as discussões indicam que se faz necessário um alto nível de competência. Isto implica na compreensão das ciências básicas e tópicos específicos, além da inserção em diferentes culturas, o domínio de línguas estrangeiras, habilidades de comunicação e de trabalho em grupo. Inúmeros estudiosos acreditam que tais estudantes precisam ser expostos a uma faixa mais diversificada de conceitos e princípios, o que requer um decréscimo na profundidade de tópicos específicos, e mais ênfase nos princípios básicos essenciais para o domínio de um determinado tópico. A determinação de tal essencialidade nos remete, então, à questão de priorização, tema que será destacado neste estudo.

A formação do engenheiro se volta para uma estrutura onde as ciências básicas assumem um papel mais importante: O de fornecer os subsídios imprescindíveis ao atendimento de objetivos, satisfazendo suas especificidades.

Neste cenário, assumem importância relevante as disciplinas voltadas para a área gráfica, que devem ter como objetivo servir de instrumento para comunicar visual e precisamente a Geometria e demais características do produto a ser desenvolvido, do modo mais rápido possível e com a maior simplicidade.

O presente trabalho pretende contribuir com as discussões que vêm sendo realizadas sobre os conhecimentos necessários à formação do engenheiro, considerando a necessidade de elaboração de um modelo matemático que auxilie o docente na estruturação do programa das disciplinas voltadas para a Representação Gráfica. Nesta direção, entende que o problema é caracterizado por um processo de tomada de decisão que envolve múltiplos critérios, e o AHP (Analitical Hierarchy Process) é utilizado para identificar os conteúdos priorizados e os conceitos da TSN (Teoria dos Sistemas Nebulosos) para tratar informações vagas ou imprecisas. O problema teve como premissa a formação integral do engenheiro e estruturado considerando que a subjetividade está sempre presente no processo de tomada de decisão. Os resultados da análise mostram a antiga dicotomia entre quantidade e qualidade. Apontam ainda que apesar das constantes melhorias metodológicas, a definição dos conteúdos deve considerar a interação entre diversas disciplinas. Além disto, devido às variáveis envolvidas no problema e a limitação temporal, mostram a necessidade de contínuas pesquisas na busca de inovações para melhorar a eficiência e eficácia do processo. Deste modo, nosso estudo busca analisar o problema da programação de disciplinas matematicamente.

Entretanto, infere que exatamente estas características devem ser traduzidas como uma iniciativa. É, deste modo, uma simplificação e método linear de análise, onde nenhum efeito de sinergia foi considerado.

No entanto, entendemos que seu estudo nos levou a produzir resultados significativos, auxiliando a compreensão do problema e possibilitando o direcionamento de propostas de acordo com situações específicas, através de uma visão global do objetivo. Concluímos, finalmente, que a melhoria da qualidade do engenheiro a ser formado demanda transformações outras que não se limitam apenas e diretamente ao ensino da engenharia. * Professora do Departamento de Expressão Gráfica, Centro de Artes e Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Brasil.


Desenho para engenheiros: O que ensinar? fue publicado de la página 209 a página210 en Actas de Diseño Nº1

ver detalle e índice del libro