1. Diseño y Comunicación >
  2. Publicaciones DC >
  3. Actas de Diseño Nº21 >
  4. Design para inovação e sustentabilidade: iniciativas de ensino e cocriação com jovens no brasil

Design para inovação e sustentabilidade: iniciativas de ensino e cocriação com jovens no brasil

Mouchrek, Najla; Krucken, Lia

Actas de Diseño Nº21

Actas de Diseño Nº21

ISSN: 1850-2032

XI Encuentro Latinoamericano de Diseño “Diseño en Palermo” VII Congreso Latinoamericano de Enseñanza del Diseño Julio 2016, Buenos Aires, Argentina

Año XI, Vol. 21, Julio 2016, Buenos Aires, Argentina | 258 páginas

descargar PDF ver índice de la publicación

Ver todos los libros de la publicación

compartir en Facebook


Licencia Creative Commons Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional

Resumen:

Este artículo presenta el proyecto Diseño y Transformación, desarrollado por las autoras junto al Centro de Estudios, Teoría, Investigación y Cultura en Diseño, en la Escuela de Diseño de la Universidad del Estado de Minas Gerais, Brasil. Tiene por objetivos: a. mapear desafíos y oportunidades en el proceso de transición rumbo a la sustentabilidad, especialmente en relación a la juventud contemporánea; b. investigar el potencial y la aplicabilidad del Diseño como agente transformador en la promoción de cambios de valores, creación de nuevos escenarios y estilos de vida sostenibles.

Son presentados los principales resultados de la investigación, que refuerzan la importancia de entender los valores y los desafíos de desarrollo de los jóvenes, ampliar y profundizar el concepto de sustentabilidad, aproximándolo de la realidad de vida del joven, invertir en la construcción de contextos para transformación, estimular el empoderamiento y desarrollo de autonomía, buscar posibles lenguajes y abordajes de comunicación y utilizar estrategias de mediación para facilitar procesos de cambio conducidos por los propios jóvenes.

Palabras claves:

Diseño - Sustentabilidad - Cultura - Innovación Social - Enseñanza - Comunicación.

Introdução

No contexto sócio-econômico-ambiental atual, estamos às voltas com questões fundamentais que dizem respeito ao equilíbrio e à qualidade de vida. O conceito de bemestar vigente está ligado à busca de gratificação imediata dos interesses individuais e à minimização do envolvimento pessoal e o senso de pertencimento, o cuidado e a responsabilidade pelo bem comum diluem-se cada vez mais (Orr, 2002; Augé, 2010; Manzini, 2008). A cultura jovem conforma-se à lógica da sociedade de consumo: identidade e subjetividade são definidas por um padrão de sucesso social baseado no poder de compra e acesso; os padrões de relacionamento reforçam a exclusão; faltam referências e perspectivas (Serrão & Balleiro, 1999; Pais, 2006; Raggi, 2010). Frente aos atuais apelos do consumo, à multiplicidade de interesses superficiais, à atomização dos indivíduos e à agilidade de informações e trânsitos em que vive e move-se a juventude hoje, é difícil para os jovens compreender qual o sentido e lugar de cada um em um processo de transformação e inserção ativa e saudável na sociedade.

Contudo, em um breve futuro, a geração que está em formação vai “precisar de líderes e cidadãos que pensem ecologicamente, compreendam a interconectividade dos sistemas humanos e naturais, e tenham a vontade, a habilidade e a coragem de agir” (Stone, 2011). A habilidade de compreender e buscar sentido nas experiências e realizar escolhas será um atributo-chave para os jovens neste processo.

Como em todo contexto de crise, verificam-se ao mesmo tempo imensas possibilidades de avanço e mudança (Morin, 2001). Emergem projetos colaborativos e desenvolvem-se novas reflexões, mapeando desafios e oportunidades nos diferentes contextos e delineando possibilidades de ação e inovação para uma transição rumo a contextos e modos de vida sustentáveis. Neste contexto, é fundamental investir na promoção de uma cultura de sustentabilidade, desenvolvendo ferramentas e estratégias de interação com os jovens.

O processo de transição rumo à sustentabilidade configura-se como um “processo de aprendizagem social largamente difuso, a partir de uma transformação sistêmica, do local ao global”, que deve reverter as ideias de bem-estar baseado em produtos ou em acesso e reorientá-las em direção ao bem-estar ativo e baseado na qualidade do contexto de vida (Manzini, 2008). É importante investir em pesquisa e reflexão sobre os valores que sustentam a cultura do consumo e os valores fundamentais para auxiliar na construção de uma sociedade sustentável.

Destaca-se o trabalho de Malaguti (2009), que propõe uma interessante leitura destes valores, buscando especialmente definir qual poderia ser o papel do design como agente de transformação nesse campo.

O papel do design

O Design pode ser um poderoso catalisador para a mudança sustentável, propondo soluções plurais e projetando novos cenários, desenvolvendo ferramentas, equipamentos e infraestrutura de apoio para práticas promissoras, estabelecendo condições para o contexto criativo, utilizando seus conhecimentos e ferramentas específicos para facilitar a convergência em direção às ideias compartilhadas e soluções potenciais. Alguns autores que abordam este tema são: Manzini (2008); Margolin, (2006); Krucken (2008); Malaguti (2009); Laundry (apud Meroni, 2007).

O Design configura-se como um potencial agente de inovação criativa e suporte para iniciativas promissoras, oferecendo competências e habilidades, uma metodologia projetual e um olhar diferenciados. Especificamente no campo da promoção da cultura de sustentabilidade entre os jovens, é importante investigar as potencialidades e interfaces de ação do Design na proposição de suporte e caminhos criativos para práticas inovadoras nesse campo.

Cabe ao designer participar ativa e positivamente no desenvolvimento de soluções sustentáveis, em diversos campos (Manzini, 2008). Dessa forma, é fundamental que a formação de profissionais em Design inclua, desde o início da graduação, o desenvolvimento da capacidade reflexiva e de competências para sustentabilidade entre os estudantes de Design, visando aprimorar as condições de intervenção ativa dos designers nos processos de mudança e proposição de soluções sustentáveis.

Projeto “Design e Transformação”

o projeto Design e Transformação foi desenvolvido pelas autoras junto a Escola de Design da Universidade do Estado de Minas Gerais, no Brasil e tem por objetivos: a) mapear desafios e oportunidades no processo de transição rumo à sustentabilidade, especialmente em relação à juventude contemporânea; b) investigar o potencial e a aplicabilidade do Design como agente transformador na promoção de mudanças de valores, criação de novos cenários e estilos de vida sustentáveis.

O projeto integra uma pesquisa para dissertação de mestrado junto ao Programa de Pós Graduação da Escola de Design da UEMG (Mouchrek, 2014) e baseia-se em três premissas:

1. É essencial investir na promoção de uma cultura de sustentabilidade entre os jovens - as transformações rumo a modos de vida mais saudáveis, integrados e sustentáveis mostram-se fundamentais especialmente em relação às gerações futuras.

2. É essencial compreender os valores que permeiam a cultura jovem para auxiliar na construção de uma sociedade sustentável - investir em pesquisa e promover codesign junto a este público é fundamental para mapear desafios e oportunidades e empreender ações efetivas.

3. O Design tem papel transformador na promoção de mudanças de valores, criação de novos cenários e estilos de vida sustentáveis - a partir das competências de Design, é possível desenvolver ferramentas e estratégias eficazes e inovadores de interação com os jovens.

Métodos

A metodologia envolveu pesquisa exploratória, desenvolvimento de abordagem participativa em Design voltada aos objetivos da pesquisa, análise e compreensão de contexto a partir das competências de Design. Utilizouse uma abordagem multimétodos, incluindo as seguintes etapas e atividades: a) Pesquisa exploratória sobre valores, estilos de vida e percepção de sustentabilidade e participação entre os jovens, além de possíveis estratégias de comunicação; b) Análise e mapeamento dos dados, para delinear um perfil da questão e apontar oportunidades para intervenção; c) Cocriação e desenvolvimento, estimulando pensamento crítico e competências de sustentabilidade e produção coletiva de conhecimento, em aulas com estudantes de graduação em Design e oficinas com jovens de 14 a 24 anos.

Principais resultados

O projeto contou com uma série de atividades de pesquisa de campo e intervenção: entrevistas, estudo de caso e duas iniciativas de cocriação com jovens. A primeira iniciativa foi conduzida em um grupo de estudos de uma escola técnica (Grupo de Gestão - Sustentabilidade) e a segunda foi desenhada como um curso universitário (disciplina optativa Inovação aberta, Design e Sustentabilidade).

Apresentam-se algumas considerações sobre estas atividades a seguir.

• Entrevistas. Foram entrevistados especialistas em comunicação, desenvolvimento sociocultural, projetos sociais para jovens, sustentabilidade e Design para inovação.

Foram propostos temas como: desafios no processo de sensibilização e envolvimento dos jovens, incluindo hierarquia de valores e percepção sobre sustentabilidade e participação social; oportunidades de intervenção positiva, envolvendo Comunicação e Design. As entrevistas possibilitaram uma aproximação mais realista ao tema, permitindo desenvolver compreensão em torno de aspectos como:

a. Importância de abordar a pesquisa a partir de um investimento em compreender e mapear os fatores em questão, para posteriormente selecionar estratégias e possíveis caminhos para soluções; b. Possibilidade de intervenção do pensamento estratégico em Design, capaz de oferecer um olhar diferenciado, visão transversal e potenciais novos recursos e relações, abrindo espaço para experimentação; c. Necessidade de compreender as características da fase de desenvolvimento em que os jovens se encontram e seus desafios reais, para então desenhar possibilidades de participação e ações sustentáveis; d. Busca efetiva de estratégias de comunicação dialógica com os jovens como estratégia fundamental para abrir as possibilidades de interação e mobilização almejadas.

• Estudo de caso: Plug Minas Centro de Formação e Experimentação Digital (Belo Horizonte, MG, Brasil). Com o propósito de levantar dados sobre valores, estilos de vida, conceitos de bem-estar, questões de desenvolvimento e possíveis estratégias de comunicação e envolvimento dos jovens, o estudo de caso incluiu observação e pesquisa etnográfica rápida e permitiu identificar aspectos relevantes em uma experiência promissora de interação e mobilização juvenil. Ouvindo e observando jovens e adultos com diferentes perspectivas e estilos de vida, e conhecendo as estratégias de comunicação bem-sucedidas implementadas pelo PlugMinas, foi possível levantar aspectos essenciais para comunicação e mobilização junto ao público alvo.

Os resultados de pesquisa no PlugMinas confirmaram muitas das acepções encontradas tanto na revisão bibliográfica quanto nas entrevistas com especialistas, reforçando algumas tendências importantes para a definição clara do problema e eventuais caminhos para soluções.

Representando o primeiro trabalho de campo da pesquisa, esse estudo de caso foi fundamental para delinear e alinhar as ações realizadas na sequência.

• Iniciativa de cocriação com jovens no Oi Kabum! Escola de Arte e Tecnologia (Belo Horizonte, MG, Brasil).

Realizou-se uma observação participante no Grupo de Gestão - Sustentabilidade do Oi Kabum!, incluindo uma iniciativa de cocriação em Design que apresentou resultados muito interessantes em relação ao envolvimento dos jovens e ao fortalecimento do espírito de equipe e de espaço público. O processo de cocriação foi desenvolvido em quatro etapas, seguir: 1) Discussão e amplificação do conceito de sustentabilidade. Aspectos de comunicação e mobilização, 2) Criação de contexto para transformação. Discussão sobre motivação e objetivos, 3) Proposta de intervenção e construção de campanha de conscientização, 4) Validação da proposta e feedback da comunidade. Apontam-se, a seguir, alguns aspectos que se mostraram de grande relevância para o sucesso da iniciativa de cocriação: escolha por objetivos simples, concretos e de fácil realização, adoção de abordagem propositiva, estímulo ao uso da linguagem dos próprios jovens e de estratégias de comunicação sensíveis a essa faixa etária, boa comunicação e feedback com avaliação positiva dos pares. Ao longo do processo, percebeu-se o desenvolvimento de uma visão ampliada de sustentabilidade e a incorporação de linguagens inovadoras e interessantes para comunicar sobre o assunto.

• Iniciativa de cocriação com jovens: Laboratórios de Inovação Aberta e Sustentabilidade. Abordagem de cocriação desenvolvida no contexto da disciplina optativa Inovação aberta, Design e Sustentabilidade (Curso de Design da Universidade do Estado de Minas Gerais, Brasil), visando desenvolver a capacidade reflexiva e as competências de sustentabilidade na formação de profissionais em Design.

Ao longo do processo, foram utilizadas várias ferramentas de Design: mapeamento visual, mapas colaborativos, sessões de ideação; desktop research; técnicas de visualização; questionários e enquetes virtuais, protótipos; imersão com participação do usuário. Demonstrou-se uma iniciativa promissora e que resultou na produção de resultados coletivos concretos e propiciou o desenvolvimento de competências como análise de contexto, proposição de focos para intervenção, pesquisa e seleção de informações e de formas de intervenção, conhecimento e seleção de ferramentas de Design, síntese, visualização, familiaridade com desenvolvimento e etapas de projeto e capacidade de organização e comunicação.

Alguns aspectos importantes merecem ser destacados em relação às dinâmicas propostas pelos estudantes no Laboratório de Inovação Aberta e Sustentabilidade: uso ativo de plataformas de relação social como ferramenta para comunicação e interação de forma inovadora; uso de referências alternativas na busca de conteúdos (ex. vídeos, filmes, outras iniciativas); percepção do conceito de sustentabilidade em relação ao momento de vida e ao contexto em que vivem os jovens hoje; intenção de promover processos democráticos para que os jovens possam manifestar suas aspirações e transformá-las em ação com apoio das ferramentas e métodos de Design.

Análise

A análise dos resultados permitiu levantar alguns aspectos relevantes em relação ao processo de promoção da cultura de sustentabilidade entre jovens, sumarizados a seguir:

a. Contexto de desenvolvimento: é importante compreender os valores dos jovens no contexto de “desenvolvimento em ação”.

b. Apresentação do tema: necessidade de desenvolver concepções de sustentabilidade ampliadas e conectadas à realidade juvenil.

c. Conexão entre valores e práticas: jovens vivem contradições entre valores sustentáveis expressos e ações concretas.

d. Novos contextos de ação e interação: importância de desenvolver contextos inovadores de ação e interação entre os jovens.

e. Comunicação como processo criativo: importância de desenvolver abordagens de comunicação inovadoras, criando condições para que os jovens criem uma renovação do discurso sobre sustentabilidade a partir de si mesmos.

A seguir apresentam-se algumas diretrizes desenvolvidas ao final da pesquisa, visando o desenvolvimento de estratégias para mediação e construção de contextos para transformação, buscando orientar a aplicação de competências de Design para oferecer suporte e promover práticas sustentáveis promissoras entre jovens:

a. Ampliar os quadros de possibilidades e de referências em relação a comportamentos sustentáveis, criando novos campos de ação, condições e esquemas concretos que permitam aos jovens experimentarem e reinventarem práticas e formas de relações sociais em torno da questão.

b. Propor iniciativas que estimulem o empoderamento e o desenvolvimento de autonomia entre os jovens, incluindo iniciativas práticas, que permitam a experimentação, compreensão do impacto das escolhas e participação concreta.

c. Buscar pontos de conexão entre diferentes grupos e potenciais áreas para ação, identificando agentes de mudança, que teriam o potencial de realizar uma ‘ponte’ entre jovens de diferentes orientações e atuar como formadores de opinião. Outro ponto importante é a identificação dos anseios e motivações de mudança, localizando referenciais para intervenção –é a partir deles que qualquer objetivo coletivo pode ser construído.

d. Desenvolver linguagens e abordagens de comunicação para promover o diálogo e mobilização entre jovens. A pesquisa encontrou alguns indicadores sobre estratégias de comunicação bem-sucedidas: importância de abrir espaço para que o jovem expresse sua realidade e suas ideias; utilização de abordagens diretas, sem clichês ou estereótipos, sobre questões que tenham significado real na vida deles; respeito à capacidade crítica do jovem, que percebe quando a linguagem busca falsear a real intenção da mensagem.

e. Aplicar estratégias de mediação para facilitar a compreensão das questões e a busca de soluções pelos próprios jovens. Através de propostas de discussão e dinâmicas de interação, convidar os jovens a refletirem sobre seus valores, motivações e objetivos no contexto em questão. A mediação estimula a tomada de consciência em um contexto prático e a capacidade dos jovens lidarem com as questões desafiadoras, a partir de sua própria compreensão e disposição em participar.

Conclui-se que, no contexto das iniciativas motivadas e conduzidas pelo Design, as abordagens participativas e baseadas na cocriação oferecem excelentes oportunidades para promover cultura de sustentabilidade junto aos jovens (especialmente jovens estudantes de Design), na medida em que:

a. Favorecem o desenvolvimento da capacidade reflexiva e da habilidade de analisar problemas complexos e buscar soluções diferenciadas; b. Proporcionam campos de experimentação em que o jovem explora a possibilidade de criar soluções a partir de seus próprios recursos e motivações de ação; c. Oferecem uma gama de ferramentas e formas de intervenção, que os jovens aprendem colaborativamente a selecionar e aplicar; d. Criam possibilidades de desenvolvimento de projetos concretos e voltados à ação; e. O impacto das ações gera um mecanismo de feedback e confirmação da comunidade de referência, o que nutre e estimula novos ciclos de projeto e ação aplicada.

Ao final, confirmaram-se na prática várias das acepções levantadas nas fases anteriores da pesquisa e abriram-se novas percepções. Entre os aspectos que se destacam como resultado dessa análise, apontamos as constatações de que:

a. Os aspectos de sustentabilidade que despertem interesse e motivam ações são aqueles ligados à realidade atual do jovem; b. Os jovens respondem positivamente quando encontram contextos que favoreçam a organização de ideias e recursos e a condução de processos projetuais, permitindo direcionar suas aspirações e pontos de vista em direção à realização prática; c. O aprendizado de condução de pesquisa e projeto, além de desenvolver competências técnicas e capacidade de análise e realização, também promove auto-estima e nutre processos de autonomia e empoderamento entre os jovens.

Considerações finais

Ao final da pesquisa, considera-se que os objetivos propostos foram alcançados, na medida em que foi possível ampliar e aprofundar a compreensão sobre o processo de transição à sustentabilidade entre jovens a partir do olhar e das competências de Design e avançar na investigação e aplicação de estratégias de Design orientadas aos propósitos da pesquisa.

Quanto à caracterização do processo de promoção de cultura de sustentabilidade entre jovens, as considerações ao final dessa pesquisa reforçam a importância de compreender os valores dos jovens a partir de seus desafios e características de desenvolvimento; investir na construção de ambientes e contextos para transformação; enfatizar as dimensões da sustentabilidade diretamente ligadas às realidades de vida do jovem; estimular o empoderamento e o desenvolvimento de autonomia; buscar possíveis linguagens e abordagens de comunicação; utilizar estratégias de mediação para facilitar processos de mudança conduzidos pelos próprios jovens.

Quanto às contribuições do Design nesse processo, concluiu-se que:

a. É possível avançar substancialmente na compreensão da questão a partir de pesquisa, experimentação e análises conduzidas e orientadas pelo Design; b. O referido processo de compreensão e análise dos fatores envolvidos, a partir de perspectivas amplas e inovadoras é fundamental para orientar intervenções positivas nesse campo; c. No contexto das iniciativas motivadas e conduzidas pelo Design, as abordagens participativas e baseadas na cocriação oferecem excelentes oportunidades para processos de promoção de sustentabilidade junto aos jovens (especialmente jovens estudantes de Design).

Conclui-se que o Design oferece significativos recursos para pesquisa e intervenção inovadoras no campo da promoção de sustentabilidade entre jovens. Portanto, a inserção de disciplinas ou iniciativas de Design e cocriação em cursos técnicos e universitários pode contribuir para o desenvolvimento de uma atitude mais consciente e responsável em relação à sociedade. Destacam-se, ainda, contribuições relacionadas à apropriação de uma visão democrática, tanto em relação à geração de conhecimento, como aos direitos e as possibilidades que os cidadãos têm de criar soluções (por exemplo: no uso criativo do espaço público, no desenvolvimento de estratégias/ produtos ou serviços que contribuam para o bem-estar e saúde coletiva, etc).

Referências Bibliográficas

Augé, M. (1994). Não lugares introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papirus.

Krucken, L. (2008). Competências para o design na sociedade contemporânea. In De Moraes, D.; Krucken, L.. (Org.). Design e Transversalidade. 1 ed. Belo Horizonte: Santa Clara.

Landry, C. (2000). The Creative City. A Toolkit for Urban Innovators. London: Earthscan.

Malaguti Souza, C. S. (2009). Design e valores materializados - cultura, ética e sustentabilidade. In: De Moraes, Dijon; Krucken, Lia. (Org.).

Cadernos de Estudos Avançados em Design Sustentabilidade I. 1 ed. Barbacena: Editora da Universidade do Estado de Minas Gerais, v. 1.

Manzini, E. (2008). Design para a inovação social e sustentabilidade: comunidades criativas organizações colaborativas e novas redes projetuais. Em Cadernos do Grupo de Altos Estudos; v. 1. Ezio Manzini; Rio de Janeiro.

Margolin, V. (2006). O Designer Cidadão. In: Revista Design em Foco [on line], vol. III.

Mourchrek, N. M. (2014). Estratégias e competências de Design para promover a cultura de sustentabilidade entre jovens. 149 f. Dissertação (Mestrado) - Escola de Design, Programa de Pós-Graduação em Design da Universidade do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte. Disponível em: http://www.najlamk.com/dissertacaonajlamouchrek-uemg.pdf Orr, D. W. (2002). The Nature of Design: Ecology, Culture, and Human Intention. Oxford University Press.

Pais, J. M. (2006). Buscas de si: expressividades e identidades juvenis. In Almeida A., Maria Isabel Mendes de; EUGENIO, Fernanda (orgs.). Culturas Jovens: novos mapas do afeto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Raggi, N. (2010). Juventudes na contemporaneidade: identidades, identificações, nomadismos. In Rev. Bras. Adolescência e Conflitualidade, (0): 78-93.

Serrao, M. e Baleeiro, M. C. (1999). Aprendendo a ser e a conviver. São Paulo: FDT.

Stone, M. K. (2009). Smart by Nature: Schooling for Sustainability. Healdsburg, CA: Watershed Media.

Abstract:

This paper presents the design and Transformation project developed by the authors with the Centre for Studies, Theory, Research, and Culture in Design at the School of Design at the University of Minas Gerais, Brazil. Its objectives are: a. map challenges and opportunities in the transition towards sustainability, especially in relation to contemporary youth; b. investigate the potential and applicability of the design as a transforming agent in promoting changes in values, creating new scenarios and sustainable lifestyles.

The main results of the research are presented, they reinforces the importance of understanding the values and challenges of youth development, broaden and deepen the concept of sustainability, bringing it closer to the reality of life of the young, invest in the construction of contexts transformation, encourage empowerment and autonomy development, identifying possible approaches to languages and communication and mediation strategies used to facilitate change processes driven by young people themselves.

Key words:

Design - Sustainability - Culture - Social Innovation - Education - Communication.

Resumo:

Este artigo apresenta o projeto Design e Transformação, desenvolvido pelas autoras junto ao Centro de Estudos, Teoria, Pesquisa e Cultura em Design, na Escola de Design da Universidade do Estado de Minas Gerais, Brasil. Tem por objetivos: a. mapear desafios e oportunidades no processo de transição rumo à sustentabilidade, especialmente em relação à juventude contemporânea; b.investigar o potencial e a aplicabilidade do Design como agente transformador na promoção de mudanças de valores, criação de novos cenários e estilos de vida sustentáveis. Os principais resultados da pesquisa reforçam a importância de entender os valores e os desafios de desenvolvimento dos jovens, ampliar e aprofundar o conceito de sustentabilidade, aproximando-o da realidade de vida do jovem, investir na construção de contextos para transformação, estimular o empoderamento e desenvolvimento de autonomia, buscar possíveis linguagens e abordagens de comunicação e utilizar estratégias de mediação para facilitar processos de mudança conduzidos pelos próprios jovens.

Palavras chave:

Design - Sustentabilidade - Cultura - Inovação Social - Ensino - Comunicação.

(*) Najla Mouchrek

é doutoranda no Interdisciplinary PhD Program in Human Centered Design na Virginia Polytechnic Institute and State University - Virginia Tech, Estados Unidos. Mestre em Design, Inovação e Sustentabilidade pelo Programa de Pós-Graduação em Design da Escola de Design da Universidade do Estado de Minas Gerais, Brasil (2014). Designer gráfica, graduada em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (1996). Atua também em pesquisas e projetos de promoção de sustentabilidade para jovens e tem como foco de pesquisa o papel do Design em promover a cultura de sustentabilidade e o empoderamento entre jovens.

Lia Krucken

é professora na área de design para sustentabilidade e processos colaborativos . Desenvolve workshops relacionados à arte e inovação para mudança no contexto urbano. É doutora em Gestão da Inovação pela Universidade Federal de Santa Catarina, com pós doutorado em Design na Politecnico di Milano. Tem colaborado com várias universidades no Brasil (Escola de Design da Universidade do Estado de Minas Gerais, Fundação Dom Cabral, UNISINOS, Universidade Federal do Maranhão, entre outras), e no exterior (Politecnico di Milano, Accademia di Belle Arte di Palermo, na Itália; Hafencity Hamburg University, na Alemanha; e Parsons New School, USA, com o projeto Dream:In). Vive entre o Brasil e a Alemanha.


Design para inovação e sustentabilidade: iniciativas de ensino e cocriação com jovens no brasil fue publicado de la página 81 a página85 en Actas de Diseño Nº21

ver detalle e índice del libro