1. Diseño y Comunicación >
  2. Publicaciones DC >
  3. Cuadernos del Centro de Estudios de Diseño y Comunicación Nº83 >
  4. Ver com as mãos e dar à luz um mundo: a Tecnologia 3D e suas possibilidades cognitivas para pessoas cegas

Ver com as mãos e dar à luz um mundo: a Tecnologia 3D e suas possibilidades cognitivas para pessoas cegas

Sobral, João E. C.; Everling, Marli T.; Cavalcanti, Anna L. M. S.

Cuadernos del Centro de Estudios de Diseño y Comunicación Nº83

Cuadernos del Centro de Estudios de Diseño y Comunicación Nº83

ISSN: 1668-0227

Creatividad solidaria e Innovación social en América Latina

Año XXI , Septiembre 2020, Buenos Aires, Argentina | 236 páginas

descargar PDF ver índice de la publicación

Ver todos los libros de la publicación

compartir en Facebook


Licencia Creative Commons Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional

Resumo: O Laboratório HOMERO 3D é vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Design da Universidade da Região de Joinville (PPGDesign/Univille), e ao grupo de Pesquisa ÍRIS, que investiga métodos de fabricação digital e da produção de imagens fotográficas adstritas ao contexto do artefato tridimensional nas dimensões da concepção, desenvolvimento e do ensino e aprendizagem do design. O Laboratório visa fomentar pesquisas técnico-científicas com foco na impressão 3D e no seu potencial como recurso facilitador do ensino de pessoas cegas. Os estudos obtidos até então, fortalecem a percepção de que, a popularização, aprimoramento e a redução de custo da impressora 3D amplia a potencialidade para o desenvolvimento de atividades comunicacionais e educacionais voltadas para pessoas cegas no que se refere a: percepção gráfico-formal e memória; configuração de conceitos abstratos; a conversão da impressão textual em sinais sonoros; e por fim, a potencialização da aprendizagem de conceitos educacionais, reduzindo o nível de abstração.

Ao longo desse artigo discute-se o sentido tátil, a percepção e cognição, a fim de compreender o processo de aprendizagem de pessoas cegas, e das possíveis contribuições da impressão 3D na educação gráfica e na dinâmica do ‘ver’ com as mãos. Os resultados obtidos visam apoiar atividades de pesquisa, ensino e extensão, e o planejamento das ações dos grupos de pesquisas associados ao PPGDesign Univille.

Palavras chave: Laboratório Homero 3D - tecnologia 3D - Processo Cognitivo - Percepção tátil - Cegos.

[Resumos em espanhol e inglês na página 192] (1) Doutor em Design e Sociedade pela PUC-Rio (2011). Mestrado em Educação pela FURB-Fundação Universidade Regional de Blumenau (2002). Graduado em Comunicação Visual pela Universidade Federal de Pernambuco (1983). Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Design na Universidade da Região de Joinville, Santa Catarina.

(2) Doutora em Design e Sociedade pela PUC-Rio (2011), Mestre em Engenharia de Produção (2001) pela Universidade Federal de Santa Maria e graduada em Desenho Industrial (1998) pela mesma instituição. Professora titular do Curso de Design da Universidade da Região de Joinville/Univille e do Programa de Pós-graduação/PPGDesign, na qual atua em atividades de coordenação, ensino, pesquisa e extensão.

(3) Mestre em Industrial Design com enfoque em Biônica pelo Centro Ricerca do Istituto Europeo di Design-IED-Milão-Itália (1992). Graduada em Desenho Industrial pela Universidade Federal de Pernambuco (1983).

Introdução O Laboratório HOMERO 3D, vinculado ao Programa de Pós-graduação em Design da Universidade da Região de Joinville/Univille, foi criado em 2014 com a intenção de fomentar pesquisas técnico-científicas com foco na impressão 3D e no seu potencial como recurso facilitador do ensino de pessoas cegas. O nome do Laboratório homenageia Homero, o poeta grego autor de Ilíada e Odisseia. Embora sua existência não seja confirmada, estudos sobre sua obra registram a possibilidade de tratar-se de um autor cego que, como tantos outros, oriundos da tradição oral, contribuiu para a cultura da humanidade.

O Laboratório está vinculado ao grupo de Pesquisa ÍRIS e ao Projeto: ‘Estudo comparativo dos métodos de fabricação digital e da produção de imagens fotográficas adstritas ao contexto do artefato tridimensional nas dimensões da concepção, desenvolvimento e do ensino e aprendizagem do design’ (financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico/CNPq); conta também com a participação do Grupo de Pesquisa ETHOS que, entre seus objetivos, visa investigar as relações de uso, incluindo aspectos cognitivos e do design como suporte ao desenvolvimento de produtos e serviços.

Com esta configuração, o Laboratório Homero 3D tem realizado pesquisas e experimentos no campo da tecnologia de impressão tridimensional com vistas à soluções para a interação e inclusão social de indivíduos com deficiência visual e ou pessoas cegas. O Laboratório dispõe de um espaço virtual inter-institucional para o compartilhamento de informações sobre o envolvimento do grupo com organizações, publicações e projetos de conclusão de curso, tanto do mestrado como da graduação em design.

Como ação permanente, o grupo tem publicado suas pesquisas em formato de artigos, no intuito de sensibilizar a comunidade acadêmica para um tema de tamanha importância e atualidade. Ao longo do tempo, observou-se que atitudes como estas contribuem com intervenções coletivas, que fazem com que a inclusão de pessoas cegas adquira relevância cotidiana nos âmbitos que sustentam estas próprias ações, como no campo da legislação, da empregabilidade, da acessibilidade, da habitação, do consumo, da educação.

O Laboratório Homero 3D tem se concentrado, portanto, em gerar conhecimento compartilhado e focado em ações de repercussão e multiplicação de abordagens que caminhem em direção à propostas inclusivas com o uso das novas tecnologias de produção de artefatos.

Os estudos recentes do Homero 3D fortalecem a percepção de que, a popularização, aprimoramento e a redução de custo da impressora em três dimensões, apresenta potencialidade para o desenvolvimento de atividades comunicacionais e educacionais voltado para pessoas cegas no que se refere a: percepção gráfico-formal e memória; configuração de conceitos abstratos; a conversão da impressão textual em sinais sonoros; e por fim, a potencialização da aprendizagem de conceitos educacionais, reduzindo o nível de abstração.