Estudiantes Internacionales Estudiantes Internacionales en la Universidad de Palermo Reuniones informativas MyUP
Universidad de Palermo - Buenos Aires, Argentina

Facultad de Diseño y Comunicación Inscripción Solicitud de información

  1. Diseño y Comunicación >
  2. Publicaciones DC >
  3. Actas de Diseño Nº4 >
  4. As cores e a vitrine. Uma relação primária

As cores e a vitrine. Uma relação primária

Rodrigues do Nascimento, Maria Emmanuele

Actas de Diseño Nº4

Actas de Diseño Nº4

ISSN Impresión 1850-2032
ISSN Online: 2591-3735
DOI: https://doi.org/https://doi.org/10.18682/add.vi4

II Encuentro Latinoamericano de Diseño "Diseño en Palermo" Comunicaciones Académicas. Julio y Agosto 2007, Buenos Aires, Argentina

Año II, Vol. 4, Marzo 2008, Buenos Aires, Argentina. | 257 páginas

descargar PDF ver índice de la publicación

Ver todos los libros de la publicación

compartir en Facebook


Licencia Creative Commons Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional

Desde sempre o Homem precisa consumir –antes apenas por necessidade– comer, vestir, enfim, consumir produtos necessários a sua sobrevivência. Obviamente, estas necessidades persistem, já que são necessárias a subsistência humana. De acordo com a teoria da Hierarquia das necessidades de Maslow, as necessidades dos seres humanos obedecem a uma escala de valores a serem superados. Isto significa que no momento em que o indivíduo realiza uma necessidade, surge outra em seu lugar, exigindo sempre que as pessoas busquem meios para satisfazê-la.

Nesta hierarquia as necessidades fisiológicas (a sobrevivência do indivíduo e a preservação da espécie: alimentação, sono, repouso, abrigo, etc.) constituem a base da pirâmide (figura utilizada por Maslow para representar esta hierarquia). Em seguida estão às necessidades sociais que incluem a necessidade de associação, de participação e aceitação por parte de determinado grupo dentro de determinada sociedade. Em seguida a necessidade de estima que está relacionada à autoconfiança, status, prestígio e consideração, além de desejo de poder e independência. As necessidades de realização pessoal são aquelas em que cada pessoa realiza o seu potencial de auto desenvolvimento contínuo e está no topo da pirâmide. Teoricamente, nenhuma pessoa procurará reconhecimento pessoal e status se suas necessidades básicas estiverem insatisfeitas.

No entanto, vivemos em uma era de consumo intenso onde esses valores são muitas vezes invertidos e quando não, assumem papéis antes não fundamentais para a existência humana, mas agora indispensáveis. Ex: Telefones celulares, computadores, roupas de diversas marcas e de diversos modelos para atender outras necessidades localizadas no topo da pirâmide e não mais apenas com a função de proteger o corpo. Por isso as lojas cada vez mais vêm aperfeiçoando os meios de atrair clientes. É importante causar uma ótima impressão desde o primeiro momento. A mensagem transmitida tem que ser positiva e por isso a identidade visual da loja é tão importante e deve ser tão bem cuidada.

“Podemos considerar a identidade visual, o ambiente e comunicação da loja como os primeiros fatores a serem percebidos pelo consumidor”. Um dos pilares para esta caracterização da loja certamente é a vitrine. O objetivo principal dela é chamar a atenção do consumidor para os produtos que a loja vende, convidando-o a entrar.

As vitrines existem desde antes de Cristo. Já naquela época, os comerciantes percebiam a necessidade de conquistar os clientes e se destacarem da maioria. Nas antigas feiras elas não se apresentavam com o requinte das atuais, mas desempenhavam a mesma função - atrair o cliente. Não tinham a tecnologia que dispomos hoje e por isso eram mais simples, mas nem por isso, menos interessantes.

Em várias civilizações antigas foram encontrados vestígios de que se utilizavam figuras, cores e até mesmo manequins que se assemelham ao que encontramos nas vitrines atualmente. O mercado Trajano, dos romanos, por exemplo, organizava suas lojas nos moldes dos shoppings da atualidade. Existem registros até dos chamados homens-vitrinas que usavam o próprio corpo para expor seus produtos semelhantes aos vendedores ambulantes de hoje em dia.

Hoje os tipos de vitrine variam de acordo com o estilo da loja, o tipo de público e seu poder aquisitivo. Deve haver uma coerência. Uma vitrine de shopping nunca será como uma de rua mesmo que sejam filiais de uma mesma marca. Algumas lojas destinadas aos públicos de menor poder aquisitivo, por exemplo, se assemelham muito com as das antigas feiras citadas acima, as chamadas vitrines de vendas onde se prioriza o produto dando destaque as tendências da estação. São mais cheias de detalhes o que contribui para muitas caírem no erro de poluir demais o visual da vitrine.

Outras, no entanto, são verdadeiras obras de arte, com iluminação trabalhada, grande espaço e cores harmoniosas e geralmente são destinadas a um público de maior poder aquisitivo, são minimalistas; tipo de vitrine que expõe produtos caros e em quantidade mínima explorando muito mais o conceito da loja do que o produto propriamente dito.

Vários elementos compõem a vitrine, principalmente se tomarmos o conceito moderno no qual a vitrine se estende a toda a loja-iluminação, layout, logotipo e as cores.

Este último elemento, a cor, juntamente com os efeitos da iluminação que incide sobre ela será abordado por ser considerado primário na composição de uma vitrine.

Uma determinada cor pode fazer uma parede parecer mais próxima. Um objeto branco parecer maior. As cores escuras parecem diminuir o volume. Atribuem-se até mesmo pesos diferentes a um mesmo objeto pintados em cores diferentes: um vaso branco parece mais leve que um vaso preto.

As combinações de tons servem para criar efeitos, como diminuir um ambiente para torná-lo mais aconchegante ou dar a impressão de ampliação de espaços apertados.

Estes efeitos são muito úteis para lojas onde devemos utilizar todo o espaço e onde os clientes devem sentirse à vontade, tranqüilos e dispostos a comprar. Além disso, todos os produtos devem ter destaque na medida correta e as cores são fundamentais para este fim.

Cores quentes deixam o ambiente mais alegre. São muito úteis para lojas que atendem um público adolescente ou segmento teen e também para lojas infantis que buscam sempre cores vibrantes. Lojas esportivas também usam bastante as cores quentes, pois estimulam as pessoas, as deixam mais dispostas inclusive a praticar atividades físicas. Já lojas de informática, livrarias e lojas de discos costumam em sua grande maioria explorar cores frias, pois dão mais tranqüilidade e calma e são adequadas para um ambiente de leitura. No entanto nada impede que uma loja que explore um outro conceito, vanguardista talvez, faça exatamente o contrário.

Às vezes vemos lojas especializadas em rock, livrarias especializadas em revistas em quadrinhos e RPG que usam exatamente o conceito contrário, aplicam cores fortes em boa parte da loja, murais coloridos e com desenhos, tudo pelo conceito da loja, pela mensagem que ela deseja transmitir e o público a que ela atende. É aí que começa o aspecto sócio-cultural da cor, chocandose muitas vezes com o aspecto físico. Se houver um bom planejamento, uma utilização coerente da cor e da luz e possível haver um equilíbrio incrível e o resultado pode ser muito interessante.

Hoje sabemos que as cores assumem significados diversos.

Apresentam aspectos Físicos, fisiológicos, Psicológicos e Sócio-Culturais que se completam e muitas vezes divergem dependendo da percepção do indivíduo e da sociedade em questão. É de fundamental importância que analisemos este elemento minuciosamente para que a mensagem desejada seja transmitida fielmente. Qualquer livro de física diz que cor é um tipo de radiação proveniente da luz branca, parte visível da luz solar.

Quando essa luz branca é decomposta resultam todas as cores que conhecemos. Essa luz branca precisa de um receptor e este de uma matéria que sirva de anteparo para que ocorra a manifestação visível da cor. Este é o processo físico cromático de onde tudo parte. No entanto, em uma sociedade todos são influenciados e influenciam o meio em que vivem sob todos os aspectos. Da mesma maneira, a percepção da cor muda de acordo com as diferentes linguagens que o homem tem produzido ao longo da história ,dependendo do contexto social, econômico, político e do nível de desenvolvimento científico e tecnológico da sociedade em que vive.

Cada cultura tem sua maneira peculiar de dar significado à cor. Há também lembranças individuais e memórias culturais que fazem com que a cor, apesar de suas características físicas imutáveis, adquira novo sentido a partir da maneira que cada tem de perceber o mundo a sua volta. No Brasil, por exemplo, a expressão “está tudo azul” significa que tudo está bem e em harmonia.

Já nos Estados Unidos, a mesma expressão azul significa tristeza. Em muitos lugares do mundo a cor branca representa a paz. Já em outros representa o luto. Dentro de uma mesma cultura podemos observar diferenças na percepção da cor. Se perguntarmos o que significa a cor verde para um grupo de pessoas de uma mesma cidade, por exemplo, teremos respostas bem diferentes.

Existe um outro fator que contribuirá para percepções diferenciadas das cores e que as influencia diretamente; a iluminação. Já que a cor e resultado da luz decomposta nada mais plausível que a luz influencie também a cor já materializada. É possível conseguir inúmeros efeitos em uma mesma cor até, dependendo da iluminação utilizada.

Este é um fator de grande importância dentro da vitrine, pois permite muitos efeitos atrativos que realçam os produtos e seduzem o consumidor. A iluminação pode ser natural ou artificial e estas vão interferir de maneira diferente sobre as cores. Em ambientes com luz artificial as cores se apresentarão menos fiéis do que quando iluminadas com luz natural. Mesmo sob a luz natural, as tonalidades variam conforme a hora do dia ou as condições do tempo. Na vitrine, a princípio a iluminação pode ser: ambiental, ou seja, básica e inespecífica e decorativa, utilizada para realçar os produtos. É a iluminação que vai realçar ou modificar o significado que a cor pode ter. Uma boa combinação de cores e iluminação pode causar efeitos muito favoráveis em uma loja e nos produtos expostos em uma vitrine.

É importante observarmos o efeito da luz sobre o produto para que o cliente não tenha uma impressão errada da cor e até do tamanho e peso do produto. Por exemplo, o uso de somente luz branca em um ambiente acaba por causar um efeito azulado na cor branca; este efeito é muito útil em lojas de computadores onde o azulado dá um ar futurista e tecnológico aos produtos principalmente os de tonalidade branca. Já em lojas de uniformes hospitalares é interessante misturar esta luz com a luz amarela na loja e pôr somente amarela na vitrine para reproduzir fielmente a cor das peças (a cor amarela ajuda a clarear o ambiente). Ao compor uma vitrine de verão, com cores quentes e vibrantes não faz sentido aplicarmos luzes fluorescentes, pois estas ressaltam melhor as cores frias.

Seria melhor usar lâmpadas incandescentes que são mais adequadas as cores quentes. A cor vermelha, por exemplo, apresenta uma tonalidade marrom se estiver sob uma luz fluorescente. Observar estes detalhes faz toda a diferença na maneira como o cliente vê a loja. Claro que é mais trabalhoso ter que modificar as luzes e as cores da loja de acordo com estas necessidades, mas são detalhes que fazem toda a diferença e vale a pena notá-los. Lojas que tem esta preocupação atraem muito mais consumidores, pois estes se sentirão realmente a vontade na loja e cônscios de que estão consumindo exatamente o que estão procurando. Afinal não deve ser muito interessante levar da loja um biquíni marrom e chegar em casa com um biquíni vermelho. Observando sob o aspecto sóciocultural é necessário um extremo cuidado com a mensagem transmitida. Por exemplo, existem muitas marcas que possuem filiais por todo o mundo. É o caso de lojas como a Zara que preza pela unidade do layout de suas lojas. A vitrine da filial brasileira é basicamente a mesma que a da filial chinesa. No entanto, alguns detalhes devem ser adaptados. Por exemplo, uma vitrine de final de ano no Brasil composta somente por peças brancas seriamuito bem aceita, pois na cultura ocidental esta cor tem conotações positivas como paz, calma, ordem e limpeza.

Já na China e em outros países orientais o branco representa luto. Neste caso, a mesma vitrine não transmitiria uma mensagem positiva e não causaria uma boa sensação aos chineses.

Hoje existem inúmeras pessoas que estudam a cor e seu significado. O Feng Shui, por exemplo, é uma antiga arte chinesa que busca criar ambientes harmoniosos usando como um dos elementos para este fim as cores. A cromoterapia que já é utilizada em muitos hospitais é uma ciência que usa a cor para estabelecer o equilíbrio e a harmonia do corpo, da mente e das emoções. É notável que o uso das cores não é um processo tão simplório como alguns leigos pensam. Utilizar cores e harmonizá-las, sobretudo em uma vitrine não é uma tarefa medíocre, ao contrário, requer criatividade, sensibilidade e muito conhecimento. Assim como as cores primárias que são fundamentais para a existência das outras, as cores harmoniosas entre elas e em harmonia com o todo são primárias para a composição de uma vitrine e não é prudente ignorar isso. É necessário um estudo minucioso de todos os aspectos que envolvem a cor e a influenciam; estudando os livros de física, passando pelos de história e sociologia até os de design e arte e possível desenvolver um trabalho belíssimo e que exercerá grande fascínio sobre o consumidor em potencial transformando-o em um consumidor assíduo e satisfeito.

Maria Emmanuele Rodrigues do Nascimento. Universidade Federal do Ceará - UFC Fortaleza, CE, Brasil.


As cores e a vitrine. Uma relação primária fue publicado de la página 204 a página206 en Actas de Diseño Nº4

ver detalle e índice del libro